16
maio
11

coração por inteiro

(crônica publicada na Revista do Brasil, maio de 2011)

Soube que seria tia pelo telefone, mal conseguia falar com meu irmão, tamanha euforia, lembrei dele ainda bebê em meu colo. É impressionante como os ciclos naturais são imbatíveis no quesito preenchimento existencial. Passado o alvoroço, meu irmão começava a se abater com preocupações referentes ao convênio médico e aos procedimentos a que seria submetida a minha sobrinha, a Lorena. A pequena havia sido diagnosticada, ainda no ventre materno, com uma malformação cardíaca. Em português claro, ela não tem uma parte do coração, mas para nosso alívio o problema pode ser corrigido com três cirurgias.

Lorena nasceu e foi direto para a UTI, preparar-se para a primeira correção. Frequentei a sala de espera do hospital por quase um mês, olhando-a pelo vidro, enquanto meu irmão e minha cunhada ficavam lá dentro. Observei outros pais de UTI, casais que passam semanas ou meses aguardando o tempo próprio da recuperação. Tudo isso envolve tristeza, e não tenho como provar o quanto isso tudo também é seu oposto, um grau da alegria. Mas como? Por uma simples razão: o corpo tem defesas que a emoção desconhece. O corpo traz a sensação do sentimento, é a expressão dele, as mães choram sem teatro. Um choro pequeno que o cotidiano trata de torná-lo simples, uma manifestação necessária.

Neste momento, Lorena está em casa, já dormiu sobre a barriga dos pais, e presenciei minha mãe tornar-se avó na primeira vez em que ninou a neta. Não há vertigem mais radical que essa, as histórias dos corpos com seus códigos genéticos e amorosos se aflorando na ausência, nesse caso, de um pedacinho do coração da Lorena que só não está manifesto, mas já está refeito em nosso colo. Um coração aristotélico que, se não está em ato, está em potência.

Os pais de UTI recolocam os problemas rotineiros em seus lugares reais, a saber, na área de serviço, e não mais na sala de estar. Não se trata de camuflar uma questão menor pela maior, é uma assepsia do pavilhão emocional. A UTI não é terapia de amadurecimento, evidente, embora isso aconteça. A minha descoberta é que a UTI não é o lugar de quem está em vias de perder a normalidade dos dias nem sinal de fracasso ou perturbação da realidade – ela é passagem e, como tal, transitória e fluida. O que mais me impressionou nas mães é que elas suspendem o tempo habitual, o dos relógios, para entrar no tempo da recuperação, no tempo da vida, das profundezas celulares, no mistério maior.

Nesse ambiente é oferecida ajuda psicológica, que nem sempre socorre, embora seja fundamental. Em alguns casos, tratam as mães como doentes emocionais, dão nome à coisa ainda disforme, sentimentos fortes prontos para receber significados mais leves, e não técnicos. Mas mãe também é mãe de si e se protege. No que uma psicóloga se aproximou da minha cunhada, dizendo fazer parte de um núcleo de pesquisa do luto – só a apresentação dá calafrio –, ela logo se defendeu: “Não quero, obrigada”. Talvez a tia aqui também precise de psicólogo. Por enquanto, o amor tem feito seu trabalho.

Anúncios

30 Responses to “…”


  1. 05/18/2011 às 13:02

    Andréa,

    Uma Ótima Crônica! Puro Sentimento.

    Desejo, do fundo de minha Alma, a Breve Recuperação do Coraçãozinho de Lorena. Tão Pequeno e Já Soube Tocar os Corações de Gente Crescida!

    Muita Força, Muita Luz e Um Beijo, Jorge X

    • 2 andreadelfuego
      05/23/2011 às 14:32

      Oi, Xerxes! Essa foi derramada mesmo, confissão pura. Obrigada pelos desejos de recuperação. Muita luz pra ti :) Beijos!

  2. 05/19/2011 às 17:00

    Coração feito com tanto amor.

    UTI me fez sofrer muito. Não vou nem falar disso aqui agora. Lorena não merece.

    Para ela, a uti é apenas preparação para a vida.

    beijos, tia Andrea.

  3. 05/22/2011 às 22:38

    Tenho uma amiga, bem mais nova que eu, que nasceu com uma cardiopatia. Acompanhei o desenvolvimento dela, as cirurgias, a recuperação e a preocupaçao dos pais. Hoje ela é uma mulher forte, corajosa, estuda, trabalha… Lorena já tem e vai ter uma vida mto linda!
    Fiquei emocionada com o texto…
    beijos

    • 6 andreadelfuego
      05/23/2011 às 14:29

      Meu amor, tenho certeza de que a Lorena será como sua amiga, CERTEZA! Obrigada :)

  4. 05/24/2011 às 13:34

    Menina
    Fases de amadurecimento (mesmo com dor) são nossos edifícios para a vida. Vai dar tudo certo com a pequena e fofa Lorena. Paciência, fé e paz.
    Beijos,
    ;o)

  5. 05/26/2011 às 23:37

    Que lindo seu texto, menina, como vc escreve bem…

    • 10 andreadelfuego
      05/28/2011 às 02:58

      Jean!!!! Gracias! Depois do sítio santa seiva, peguei amor em qualquer matinho :)

  6. 11 Santiago Nazarian
    05/31/2011 às 17:32

    “o jardim não precisava dos meus lírios. Estava vivo. Com plantas enraizadas, árvores e rosas de todas as cores. Não é esse o charme de ganhar um buquê? Levar para dentro de casa um pouco da vida e da natureza que há lá fora? Colocar um vaso no jardim, para mim, era como levar sanduíches a uma festa.”

    Andréia, seu texto lembrou muito o conto “Trepadeira”, do meu Pornofantasma. Inclusive as taturanas… Mas preciso confessar que o único bicho de que tenho pavor é taturana – adoro cobra, adoro aranha, mas tenho pavor de taturana. Para mim as borboletas não justificam. Beijos.

    • 12 andreadelfuego
      06/02/2011 às 15:59

      Santiago, que trecho lindo! Doida pra ler teu livro de contos, dizem que é um de seus melhores livros. Vou começar pelo “Trepadeira”. As taturanas não me causam asco como cobras e aranhas, se bem que as taturanas peludas podem queimar a pele. Uma minhoca del fuego :) Beijo, beijo, beijo!

  7. 06/17/2011 às 03:54

    Taqueparéu. Por que eu fico tanto tempo sem vir aqui, hein?
    Saudade docê? Café, cerveja, pizza de atum, qualquer coisa pra te dar um abraço… me fala onde e quando que eu vou.
    Beijo.

  8. 06/27/2011 às 15:18

    Crônica transbordando medos, amores e sentimentos, mexeu comigo. Torço para que Lorena sare logo e seja uma criança travessa e feliz. Ah, esta semana começo a ler teus textos no Geração Zero Zero, logo comento. Beijão, flor.

    • 16 andreadelfuego
      11/05/2011 às 16:13

      Querida, a Lorena segue forte, a vida é impressionante. Um beijo imenso.

  9. 06/29/2011 às 16:38

    Andrea, que bom que cheguei até aqui… seu espaço é bom de mais da conta. Seu texto é impecável, energiza e dialoga com que lê. Abraços, Adriana.

  10. 09/02/2011 às 01:59

    Há tempos não lia algo tão doce.

  11. 21 Marta Helena dos Reis (Marta Reis)
    10/25/2011 às 21:25

    Lindo texto, Andrea! Tecido com força e delicadeza, imitando a própria vida. Forças para você e parabéns pelo prêmio José Saramgo.

    Um abraço literário

    • 22 andreadelfuego
      11/05/2011 às 15:56

      Gracias, Maria Helena! O Prêmio foi uma surpresa enorme, uma maravilha feito o jardim, que agora vou cultivar. Super beijo!

  12. 10/30/2011 às 23:54

    Prezada Andrea, gosto e gosto muito do que você escreve. Descobri seu blog, como sempre, procurando outras coisas (e essa instância de encontrar aquilo que faz a gente esquecer o que procurava é um lance meio de dádiva); de todo modo,queria mesmo te parabenizar. Estou ansioso por ler Os Malaquias.
    Abraço,

    Ivan Fornerón

    • 24 andreadelfuego
      11/05/2011 às 15:49

      Oi, Ivan! Benvindo :) Obrigada pelo contato e que Os Malaquias seja uma leitura digna de sua ansiedade. Beijo grande.

    • 25 andreadelfuego
      11/05/2011 às 15:54

      LIvan, acabei de ir ao seu flickr, aquelas obras são suas? O que é aquilo? Que beleza! Virei fã. Obrigada pela visita :) Um super beijo!

  13. 11/08/2011 às 21:56

    Andrea! Agradeço pelo elogio, e principalmente pelo seu olhar que é grande e generoso. São obras minhas, sim; é uma mistura de pintura e desenho. Lá no flickr elas estão mutiladas porque só dá pra escanear pedaços e não tenho fotos da obra na íntegra. São trabalhos que não sei dizer…é também uma tentativa de desenhar retratos e sensações sem rosto. Enfim…
    Gosto muito da coincidência de ser seu fã também! Grande beijo!
    Ivan

  14. 27 Fernando Rocha
    04/21/2012 às 17:54

    Li este texto no “Relevo”, não conhecia as motivações pessoais, as quais acabo de conhecer aqui no espaço de comentários. Tinha refletido sobre o lance do escritor com a escrita.

  15. 10/09/2012 às 14:51

    Andréa, quero te ver na feira do livro de Frankfurt! Você vai estar lá no dia 13?

  16. 09/15/2013 às 19:17

    Já cacei borboletas e deletei da vida muitos pés de maracujá, que teimaram em renascer em meu quintal. Quantas varandas fantasticamente formaram, mas então as lagartas…


Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s


delfuego@uol.com.br

Eu voo com um peteleco.

Arquivos

twitter

  • RT @RichardDawkins: Harari: “The greatest scientific discovery was the discovery of ignorance”. Culture that thinks holy book contains all… 1 month ago

%d blogueiros gostam disto: